Roupa

Você se lembra: moda retrô e nostalgia dos anos 70

93views

Veja, por exemplo, a Mini-saia.
Mary Quant, cantora da vibrante Carnaby Street dos anos 60, é considerada a primeira a revelar a minissaia ultracurta. O mini era chocante, e desde os anos 20 que expor seu joelho não causava tanto rebuliço. Senhoras respeitáveis ​​usavam saias na altura dos joelhos, e as meninas deveriam seguir o caminho respeitável, mas algo aconteceu quando o ousado Quant encurtou as saias e o mundo ficou moderno.

O designer Andre Courreges também é creditado com a criação do mini, mas Quant comercializou com sucesso a nova liberdade da moda adolescente, expondo os anos 60 sexualmente explosivos ao mini. A minissaia muito reveladora coincidiu com o nascimento da revolução sexual e expôs mais do que as pernas. A pílula anticoncepcional chegou ao mercado em 1960 e, em 1962, a feminista e futura editora da Cosmopolitan Helen Gurley Brown publicou Sex and the Single Girl, um manual de apoio para mulheres jovens que recusaram o casamento, mas não quiseram sacrificar o desejo mais primitivo. O sexo estava em toda parte, e ainda mais chocante do que garotas gostando de sexo era que elas estavam falando sobre isso. E a minissaia foi a melhor propaganda da revolução sexual.

As garotas podiam exibir suas coisas, livres para expor sua sensualidade, e os homens simplesmente teriam que lidar com isso! Não mais encobrir, manter a carne em segredo por causa das consequências da tentação. A minissaia afirmava com ousadia a nova confiança do corpo da mulher e seu lugar no mundo feminino. Proteção e ‘provisão’ não eram mais o que a garota dos anos 60 desejava. Ela deu as cartas, e em sua nova minissaia sexy, ela conseguiu o que queria.

A minissaia permaneceu um grampo importante ao longo dos anos, como um sinal de sexualidade e confiança (embora devamos avisá-la que mostrar a coxa não vai transformá-la instantaneamente em uma princesa amazona. A minissaia pode fazer você parecer sexy, mas a confiança parte é com você). Os anos 80 devolveram a minissaia à pura sensualidade não adulterada quando Madonna deslizou pelo chão com minissaia preta de lycra que ia até a coxa. Emparelhado com meia-calça de renda e camisas de malha que expunham o umbigo, a minissaia dos anos 80 era sem vergonha e na sua cara. O mini dos anos 60 era leve em comparação com a falta de vergonha envolvente da lycra de algodão dos anos 80.

A minissaia recebeu ainda mais polêmica quando entrou no mundo profissional dos anos 90. ‘Amanda’ de Heather Locklear em Melrose Place chamou a atenção em suas saias que mal caíam abaixo da bainha de seus paletós. As mulheres profissionais estavam em conflito: sim, a minissaia deixava suas pernas fabulosas, mas isso estava indo longe demais? Quando o personagem-título de Calista Flockhart em Ally McBeal recebeu mais atenção por suas saias do que por seu escritório de advocacia, as meninas se perguntaram se a linha foi ultrapassada.

As bainhas sobem e descem mais rápido do que o mercado de ações – onde as mulheres liberadas estão caídas na bolsa ao lado de seus semelhantes, muito obrigada. Verdadeiro ícone da moda dos anos 60, a minissaia é destemida: permite que as mulheres celebrem sua sexualidade, mas desafia as antigas convenções de antigamente.

Leave a Response

LQWEB2
Enable referrer and click cookie to search for prowebber